quarta-feira, 4 de janeiro de 2017

Crônica policial (O dilúvio )

   As águas varreram tudo.  A previsão havia sido feita a cem anos e poucos deram atenção aos avisos do homem do tempo. As precipitações vieram das nuvens e das fontes subterrâneas de águas. Levou considerável tempo para as águas voltarem a seus níveis, os intestinos da terra não suportariam engolir de volta  com rapidez toda água que vomitou e as nuvens se recebessem de volta em breve tempo as águas derramadas deixariam cair a água  sobre a terra novamente e os mares e rios que ainda estavam indecisos de onde eram seus limites só podiam trabalhar devagar.

   Foi um dilúvio iniversal.

   Mas deixemos essa linguagem romancista. Se trata de uma crônica policial. Então nos detenhamos às descrições dos fatos em linguagem matemática.

ESCRIVÃO
[Fontes informaram ao escritor bíblico o que ele passa a declarar em inquérito. ]

Diz o escritor bíblico que a população mundial havia se tornado repulsiva e que a paciência da autoridade divina havia se imposto um limite. Que uma ameaca severa foi feita por essa mesma autoridade. Que um ente da raça humana se conduzia diferente dos demais e que a autoridade divina resolveu poupá-lo qe que teria feito o mesmo caso mais exemplares do gênero humano tivesse mudado de comportamento. Que o poupado cujo nome era Noé se tornaria na semente para o recomeço da humanidade e que sete outras pessoas acresceram à lista somando-se a Noé sendo a esposa de Noé, as esposas de cada um de seus três filhos totalizando oito. Que o modo de salvação seria uma arca cujas dimensões foram entregues a Noé pela própria autoridade e que ela deveria ser capaz de flutuar muito bem em águas turbulentas e ainda que o prazo de construção seria de cem anos e que no interim Noé e sua familia deveria advertir aos demais do mal iminente. Que a própria autoridade traria à arca pares de animais sendo estes o macho e sua fêmea e que o referido Noé se encarregaria de acomodá-los na arca, que Noé deveria juntar comida para si, sua família e os bichos e que as precipitações durariam quarenta dias e quarenta noites e descreveu nestes termos o resultado do fenômeno metereológico. Cito a transcrição de proprio punho do escritor biblico:

"Expirou toda carne que se movia sobre a face a face da terra, tanto ave como de gado e de feras, e de todo réptil que se arrasta sobre a terra,  e todo o homem. Tudo o que tinha fôlego de espírito de vida em suas narinas, tudo o que havia em terra seca, morreu."

CONCLUSÃO DO INQUÉRITO

Com base no depoimento do declarante e das provas colhidas e juntadas aos autos os gêneros da raça humana mortos cometeram crime de desacato a autoridade a despeito dos avisos para sairem da marginalidade.