sexta-feira, 19 de janeiro de 2018

CUIDADO COM A REBELDIA DISFARÇADA


O GRAVE MAL DA TEOLOGIA DA PROSPERIDADE: UM EVANGELHO SÓ PARA POBRES

A teologia da prosperidade defendida por uma enormidade de igrejas neopentecostais e simpatizantes destas tem um sério e grave problema. A pregação destas só serve para os pobres. Os ricos ficam e sempre ficarão de fora.

O apelo da teologia da prosperidade é que o indivíduo deve ser obediente a Deus para usufruir das bênçãos materiais vindas de Deus em resposta à obediência do indivíduo. 

O teste de um indivíduo abençoado nesta teologia é o quanto de bens ele consegue juntar sempre num espaço curto de tempo.

Este é um grande apelo para os pobres ou para os empobrecidos. Os pobres e os ricos que ficaram pobres desejarão ter sempre mais. Concordemos que essa é uma proposta tentadora. Não ter necessidade nenhuma. Viver no topo.

Não é de se admirar que a exemplo das basílicas e cidades onde há um grande ícone religioso como Juazeiro do Norte, no Ceará e Canindé também no Ceará, e Aparecida no sudeste estejam cheias de suplicantes para que suas carências sejam atendidas como o estão as igrejas neopentecostais e simpatizantes. O apelo é o mesmo. A prosperidade material.

Nesse caso os pobres estarão sempre ali suplicando por suas carências e, quando tiverem (talvez) ganhado alguma riqueza estão agora embriagados pelo desejo de mais e mai (e aí se mantém nos templos). Já os ricos, os que têm uma fonte de renda abastada não quererão essa teologia porque já podem adquirir por seus próprios meios o que querem.


O evangelho bíblico centraliza-se na maior necessidade do homem. Necessidade que tem o rico e o pobre: a necessidade de salvação. 

A Bíblia diz que todos pecaram e carecem da glória de Deus. Não um justo nem sequer um. Nesse caso a teologia da prosperidade e seus proponentes iriam á falência porque perderiam seu filão principal: pobres querendo ficar ricos e sempre ricos e perdidos eternamente porque como o rico da história de Lázaro só se preocupam com as riquezas matérias as quais os ladrões roubam e a ferrugem corrói

quinta-feira, 18 de janeiro de 2018

PODEMOS MORRER ANTES DO TEMPO? TEM TEMPO PARA MORRER?


Somos informados pela leitura das Escrituras sagradas na Bíblia que para tudo há um tempo. 

Há tempo de nascer (até nove meses de gestação) e tempo para morrer (ninguém vive infinitamente no âmbito físico). Essa informação está no livro do Eclesiastes capítulo três, no livro de Jó capítulo 14.1-2,5 e em muitos outros textos da Escritura sagrada na Bíblia.

Se há tempo para nascer e tempo para morrer uma pessoa pode nascer antes do tempo? 

Sim. Principalmente nos dias de alta tecnologia como os que estamos experimentando bebês têm sido trazido à vida por questão de emergência até com seis meses de gestação, internados em cubadoras estas vidinhas têm sobrevivido e se tornam adultos sadios.

Mas para morrer, pode-se morrer antes do tempo?

Sim. A Bíblia nos informa quando isso pode acontecer.

  1. Quando em resposta ao pecado Deus retira a vida de uma pessoa. Há muitos fatos assim na Bíblia (Belsssazar rei da Babilônia, Nabal marido de Abigail, Herodes dos dias dos apóstolos no livro de Atos, etc). Davi em 1 Samuel nos informa também sobre essa possibilidade quando trata das condições quando a vida de Saul poderia chegar ao fim (1Samuel 26:8-10);
  2. Quando a pessoa pratica excessos: uma vida de crime, uso de drogas ilícitas, trabalho insalubre ou de risco, doenças contraídas por descuido com a saúde. O mesmo texto de 1 Samuel 26.8-10 também contém essa informação que pode ser complementada pelo texto de Eclesiastes 7.16-17).
  3. Casos de suicídio também pode ser apontado como morte fora do tempo.


A Bíblia nos diz que acrescentar dias às nossas vidas não podemos, essa é uma atribuição que só cabe a Deus (Isaías 38.1-5; Mateus 6.27). Podemos, no entanto cumprir nossos dias.

Como a vida é um bem desejável vale a pena conhecer bem esse assunto.